Exposições 2014

O Centro Cultural José Octávio Guizzo, disponibiliza três espaços direcionados a exposição de Artes Visuais. A Galeria Wega Nery, sala Ignês Corrêa da Costa e Foyer do Teatro Aracy Balabanian.

 

Galeria Wega Nery: é direcionada à artistas que já realizaram outras exposições e que ao longo do tempo legitimaram suas práticas na área das artes plásticas.

Maio e Junho:  A exposição Arte-Morfose Ambulante apresenta desenhos, colagens e pinturas mostrando um pouco de cada fase da vida do artista plástico Abias Filho (in memoriam). Suas obras em acrílica sobre tela, nanquim e aquarela sobre papel, assamblages e desenhos apresentam uma linguagem de símbolos, grafismos, cores alegres, elementos livres, divertidos e lúdicos. 

 Julho e Agosto: A exposição “Peregrinos – A Partida” da artista plástica mineira Alessandra Cunha apresenta imagens criadas em janeiro de 2014 de várias dimensões pela artista, todas as pinturas foram elaboradas para se apresentarem soltas, sem moldura e sem chassis. É possível afixá-las nas paredes ou painéis utilizando apenas pregos, furando apenas as extremidades superiores das pinturas.

Setembro e Outubro:  A exposição “Fim de Semana” mostra as pinturas feitas pela artista plástica Maria Sylvia Cordeiro a partir de suas viagens ao litoral brasileiro. O mar e sua imensidão, crianças brincando ou simplesmente a desfrutar de momentos em que o tempo é de deleite, de aproveitar a vida e celebrar sua grandeza. Momentos bons para serem lembrados.

Novembro a Janeiro: A exposição "Inquietude Suspensa" da artista plástica do Rio de Janeiro Mozileide Neri tem por intuito apresentar uma série de monotipias como técnica e o tecido como suporte, processo que a artista pesquisa desde 2011, criando borrões e manchas que formam cores e traços que se entrelaçam, oferecendo ao observador uma visão rica de efeitos visuais.

Sala Ignês Corrêa da Costa: Espaço direcionado exclusivamente para apresentar o acervo do Museu de Arte Contemporânea (Marco).

Abril a Outubro: A exposição é composta por um pequeno recorte das mais de 120 obras doadas por Genésio Fernandes ao MARCO e proporciona ao visitante um exercício visual do desconstruir e reconstruir o artista, em trajetos que dialogam entre o figurativo expressionista a um abstracionismo sensível como são as representações das cabeças, dos casebres do Acre e a intensidade cromática fazendo de Genésio um dos mais expressivos artistas plásticos de Mato Grosso do Sul.

Novembro a Março: A exposição "Brasil Central" é composta por obras de artistas dos estados do Centro-Oeste e também como estado convidado, o Tocantins por seus laços com Goiás e também por se coadunar no mesmo desejo de conquistar mais visibilidade artística no cenário nacional. Os trabalhos são de Elder Rocha e Glênio Lima do Distrito Federal; Divino Sobral e Marcelo Solá de Goiás; Gervane de Paula e Regina Pena de Mato Grosso; Irani Brun Bucker e Rafael Maldonado de Mato Grosso do Sul e Graça Arnús e Marina Boaventura do Tocantins.

Foyer do Teatro Aracy Balabanian: É um espaço direcionado a exposições de artistas iniciantes

Junho a Agosto: A exposição individual “2 por 4” do fotografo Gabriel Ivan traduz a relação das cidades de Porto Velho e São Paulo sobre uma perspectiva de conexões entre o passado e o presente do artista. Cidades que permeiam e formam a identidade do artista. Uma enraizada no peito por traduzir-se como berço (Porto Velho) e pelo naturalismo sobre suas inspirações, outra pelo real conceito de movimento, sua multicultural vivência, recepção (São Paulo) e suas inúmeras oportunidades entre relações e experiências. A exposição foi contemplada no Arte Pará em 2013.

 Agosto e Setembro: A exposição de mandalas intitulada “Renascença” da artista Tânia Breu com a interpretação cosmológica do universo, sua criação, expansão, expressão e conexão entre macro e micro cosmos. Com formas definidas, limpas e claras que harmonizam-se entre si, compondo o todo com nobreza e realeza, autenticidade e presença.

Setembro e Outubro: A exposição “Touch – Olhe, Toque e Modifique!” da artista plástica Raquel Alvarenga é composta de setes obras, onde o espectador é convidado a participar da construção de novas composições abstratas, através de peças geométricas imantadas em quadros de zinco, partindo de uma composição inicial pronta.

Outubro e Novembro: A exposição “Ela, ele, elos” reúne a produção plástica inédita de Eduardo Ferreira e Anna Marimon. São pinturas e instalações, cada qual ao seu estilo, que traduzem suas vivências múltiplas no campo das linguagens que emergem de seu habitat natural: um quintal cuiabano repleto de referências criativas que passam por todas as linguagens.

Utilizamos cookies para permitir uma melhor experiência em nosso website e para nos ajudar a compreender quais informações são mais úteis e relevantes para você. Por isso é importante que você concorde com a política de uso de cookies deste site.